Lei Seca

Um espaço para discutir as grandes questões. Editor-chefe: Luiz Augusto

Nome:

Advogado, vive em São Paulo

quarta-feira, fevereiro 06, 2008

Terça-feira Gorda

Os americanos chamam o dia das principais prévias das eleições presidenciais nos Estados Unidos da América de Super Terça-feira, o que é quase um slogan das nossas Casas Bahia. Eu preferiria chamá-la de Terça-feira Gorda, ou Mardi Gras, já que ela caiu no dia do nosso Carnaval. Os gringos, ao invés de irem sambar, foram votar.
Eram cinco os principais concorrentes ao posto de homem (ou mulher) mais poderoso(a) do mundo: John McCain, Mike Huckabee, Hillary Clinton, Barack Obama e Mitt Rommey. Todos senadores e ex-governadores em busca de mais poder. Democratas e Republicanos.
Enquanto o destino do mundo livre começava a ser decidido, de manhã bem cedo, eu dormia.
Os candidatos principais cruzavam o país em seus jatos e helicópteros, a fim de angariar votos. Decisões cruciais sobre os lugares a ser visitados neste dia tão importante podem decretar a vida ou a morte de uma candidatura, como os polegares para cima ou para baixo de um César.
Eu fui de carro ao supermercado comprar ovos para um bolo e tentar conseguir um desconto numa garrafa de Coca-Cola. Comparei o preço da garrafa de 2 litros com o da garrafa de 3 litros. Vamos receber nossos amigos, e a decisão sobre a quantidade de refrigerante necessária pode ser fatal.
John McCain celebrou seu passado de herói de guerra, os anos presos no Vietnã, seus ferimentos e contou de seus planos para acabar com a guerra no Iraque.
Eu coloquei Band-Aid e anti-séptico no dedinho do pé arrasado por uma topada, lamentei ter ficado preso no trânsito na volta do supermercado e pensei no filme que iria assistir mais tarde, que não era sobre batalhas ou combates sangrentos. Tinha apenas a Catherine Deneuve no papel de uma viúva rica e alcoólatra.
Mike Huckabee analisava com seus estrategistas e marqueteiros os mapas de votação nos Estados-chave.
Eu folheei distraído um guia sobre a Áustria, li o jornal e me assustei com as conclusões parciais sobre os acidentes nas estradas durante o Carnaval. Foi muito bom não ter ido para a praia.
Hillary Clinton falou de seus planos sobre a Previdência americana e sobre o sistema de saúde na Gringolândia em vários debates. Quer a cabeça do presidente Bush pela sua inação sobre o tema.
Eu recebi um casal de vizinhos. Ele estava revoltado com a cobrança de água do condomínio. Queria entrar com uma ação e depositar o valor em juízo. Deseja ainda derrubar a síndica, quer o impeachment dela. Sua mulher tentou, sem sucesso, esfriar os ânimos do debate.
Barack Obama, ao fim do dia, tentava entender por que ele havia perdido a Califórnia, se sentindo um fracassado. As pesquisas de boca-de-urna não mentiam.
Eu assistia a um filme francês, cheio de diálogos, e sem entender a história, me sentindo um tanto burrinho por não entender as sutilezas do diretor.
Mitt Rommey lamentava com sua equipe o que havia dado errado. Tomou o champanhe da vitória da festa pré-armada, já com gosto de ressaca, para não haver desperdício.
Eu celebrava com minha mulher e alguns amigos essa vida simples, recebendo-os em casa, com um vinho bom e barato, sem barulhos do Carnaval, sem essas disputas de vaidade, sem sonhos presidenciais, sem nos importarmos com os destinos do mundo, sem a sensação de estar perdendo ou ganhando coisa alguma.

1 Comments:

Anonymous adson Ramos said...

Boa tarde.
O filme Dgajao, foi filmado em Vila Velha (PR). Na Ocasião eu era jovem (+_15 anos). Não tive oportunidade de ver o filme.Achei que não foi terminado na época.
O doutor poderia ajudar a comprar um cópia do mesmo? Existem algumas pessoas "antigas" (moradores do local) que gostaria de ver.
Adson. (adsonramos@bol.com.br)

27/4/08 12:49  

Postar um comentário

<< Home