Lei Seca

Um espaço para discutir as grandes questões. Editor-chefe: Luiz Augusto

Nome:

Advogado, vive em São Paulo

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Elvis Presley, Corinthians e a Teoria do Caos

Segundo um exemplo clássico da Teoria do Caos, o bater das asas de uma borboleta na China cria tempestades em Nova York. Ora, essa Teoria pode justificar qualquer coisa. Uma decepção amorosa, a erupção de um vulcão, um acidente de carro. Tudo pode ser obra do acaso e de uma série de variáveis que influem umas nas outras, gerando resultados imprevisíveis.
Mas, após rigorosos estudos, pude concluir que até resultados esportivos podem ser influenciados por eventos que a princípio parecem não tem nada a ver. Mas o caos explica. E a conclusão (bombástica) à qual cheguei, é a seguinte: enquanto o Rei do Rock Elvis Presley cantou, de 1.954 a 1.977, o Sport Club Corinthians, time de futebol paulista, não foi campeão.
Senão, me acompanhem. O Corinthians foi campeão paulista em 1.954. Depois, ficaria ao sereno, até 1.977, sem títulos. O que acontecia? Por que o Timão não ganhava mais? Por que teriam os corintianos que amargar as gozações dos palmeirenses por tanto tempo?
A explicação estava bem longe dali. Em 5 de julho de 1.954 um rapaz de 19 anos entrava com seu violão num estúdio da Sun Records em Memphis, Tennessee , EUA. Segundo o que se diz por aí, ele queria gravar um disco de presente para a sua mãe. Mas um produtor esperto o descobriu, e o resto é história.
Esse jovem no estúdio era Elvis Presley, e aquela data é para muitos o começo de sua carreira profissional e o marco zero do Rock, ritmo do qual ele seria sagrado Rei. Ele seguiu em frente, rumo ao mega-estrelato. Soltou seu vozeirão. Requebrou seus quadris. Deixou as mulheres loucas e os homens com inveja. Criou um ritmo e ditou estilos. Fez filmes. Entrou e saiu do Exército. Usou drogas. Tornou-se uma lenda em Las Vegas. Atirou em televisões. Habitou a mansão de Graceland, em sua querida Memphis. Até que um dia, em 16 de agosto de 1977, ele foi encontrado morto em sua casa.
Elvis podia até saber dos efeitos que causava na juventude mundial. Mas jamais soube que, a muitas milhas dali, um time de futebol brasileiro atravessou um grande túnel escuro por sua causa. Após erguer a taça de Campeão Paulista de 1.954, o Corinthians não ganhou nenhum campeonato, por muito tempo. O futebol é cruel. Ninguém lembra dos vices. “No time for losers”, como cantou Freddie Mercury, vocalista do Queen.
O Corinthians, nessa época, tentou de tudo. Troca de times, contratações, macumbas, novenas. Nada funcionava. Os “quase” foram se acumulando, como em 1.974, quando o glorioso Palmeiras (meu time) impediu que os gaviões pusessem suas garras sujas na taça do Campeonato Paulista, provocando choro e ranger de dentes na Fiel, que já esperava há duas décadas.
Só em 13 de outubro de 1.977, na gestão do folclórico Vicente Matheus, o Corinthians voltou a gritar “Campeão”. Foi em cima da Ponte Preta, num jogo bastante contestado, mas válido, com um gol de Basílio aos 36 minutos do segundo tempo.
Mas isso só aconteceu porque, quase dois meses antes, em 16 de agosto de 1.977, Elvis havia morrido. Nunca mais ele cantaria, para a felicidade corintiana. Como um distorcido galo Chantecler, que com seu canto fazia o sol se levantar (ou assim acreditava o galo), enquanto Elvis faturou dinheiro com sua música o Corinthians não ganhou títulos.
Só há um furo nessa história, e alguns, fanáticos por mesas-redondas futebolísticas, já devem ter percebido. Na verdade, o Campeonato Paulista de 1.954 foi decidido em 6 de fevereiro de 1.955, por uma dessas confusões típicas de calendário que os cartolas brasileiros costumam criar. Eu, devoto da Teoria do Caos, acho que isso foi feito apenas para melar a presente crônica, que seria escrita 53 anos depois.
Assim, o Corinthians ainda conseguiu ganhar um campeonato apesar de Elvis Presley. Mas a quase-coincidência de datas é muito interessante. A fila do Corinthians foi de 6 de fevereiro de 1955 a 13 de outubro de 1.977. A carreira profissional de Elvis Presley foi de 5 de julho de 1.954 a 16 de agosto de 1.977.
Bem, vamos acreditar que os poderes de Elvis não estavam plenamente desenvolvidos no começo de sua carreira. E quando atingiram seu auge, em 1.955, começaram a impedir que o Corinthians ganhasse qualquer coisa, até sua morte. É uma Teoria boa demais para ser descartada. Quando a lenda torna-se fato, publique-se a lenda. E, segundo a Teoria da Fila, enquanto Elvis Presley cantou o Corinthians não ganhou. E estamos conversados.

1 Comments:

Blogger LUH SANTOS said...

DESCARTAR A TEORIA DO CAOS, EM DETRIMENTO DA TEORIA DA FILA, SERIA DEVERAS INJUSTO.

ORA, FATOS SÃO FATOS, E TANTO ELVIS QUANTO O CORINTHIANS, SÃO ATEMPORAIS, TRANSCENDEM AS FRONTEIRAS SINGELAS DO PONTEIRO DO RELÓGIO E SEUS TIQUE-TAQUES...

O QUE JUSTIFICA A DIFERENÇA MINIMA DAS DATAS...

É FATO!

14/7/08 00:28  

Postar um comentário

<< Home