Lei Seca

Um espaço para discutir as grandes questões. Editor-chefe: Luiz Augusto

Nome:

Advogado, vive em São Paulo

sábado, março 24, 2007

Sacrifícios inúteis ao altar Brasil: A história do Dr. Gustavo

Gustavo de Almeida, 30 anos, é médico-perito do INSS em Santos. Na última quarta-feira ele foi esfaqueado cinco vezes nas pernas por uma ex-beneficiária, revoltada por ter recebido alta do auxílio-doença que recebia. Ele não morreu por pouco, e pode vir a sofrer seqüelas permanentes.
A foto da sala em que se deu o ataque é impressionante. Uma poça de sangue cobre o chão, e há respingos rubros nas paredes.
O Dr. Gustavo é um herói. Não por vontade própria. Ele nunca pediu essa honraria, a atenção sinistra e o nome dos jornais. Ele é simplesmente um servidor público que tenta sobreviver nesse país instável, perigoso e violento, numa profissão que, com exceção dos médicos de campanhas militares, deveria ser tediosa e pacífica.
Ele, além do suor e das lágrimas que já vertia diariamente em seu trabalho, deu literalmente o sangue, e sua vida quase foi ceifada inutilmente no altar de morte que esse país erigiu, e que sacrifica todos aqueles que tentam aqui trabalhar honestamente.
Essa cultura ibérica da qual não conseguimos nos livrar (só nós, pois hoje a Espanha e Portugal trabalham muito, crescem e prosperam), essa ojeriza ao trabalho, foi a causa do ataque, ocorrido por causa de sua função, agente na tentativa de moralizar essa nossa Previdência tão atacada e desfalcada.
Mas não podemos esquecer que alguém brandiu aquela faca. A autora do ataque deve ser punida com rigor. Tentativa de homicídio por motivo fútil, julgada por um júri federal, pois atacou servidor público federal no exercício da função. Deve ficar presa até o julgamento, pois apresenta ameaça evidente à ordem pública.
É de enjoar. Nosso projeto de país deveria ser fazer um país “tedioso” e ordeiro como a Suíça e o Canadá, onde nunca acontece nada. Lá as pessoas simplesmente vivem suas vidas sem temer que psicopatas a esfaqueiem.
E o Dr. Gustavo cogita em deixar a profissão. Como exigir outra coisa dele? Não podemos pedir que nos dê ainda mais sangue.

2 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Olá Luiz
Cada vez mais, seus comentários se tornam mais interessantes. Penso que vc nasceu prá escrever.....faz isto com maestria!!!
Seu artigo foi "DEZ"......infelizmente, este é ainda o nosso Brasil.
Abraços,
Rubia (BSB)

25/3/07 20:24  
Blogger Giselle said...

Oi Guto!! Td bem? Aqui é a Giselle irmã do Caio... como vai? Minha mãe fez propaganda do seu Blog e eu estou dando uma espiadinha... mto legal!!!!
Mantenha contato! azicsgo@gmail.com
Vc deve saber que estou com uma agência de intercâmbio... se precisar de algo, dá um alô! Um abraço!

26/3/07 10:53  

Postar um comentário

<< Home